in ,

Americano é resgatado de carro submerso após seu iPhone enviar mensagem pedindo ajuda

Foto: Reprodução/Martin County Sheriff's Office

De acordo com o gabinete do xerife do condado de Martin, no estado da Flórida-EUA na última quarta-feira (01/03/2023) um homem de 38 anos estava dirigindo de madrugada por uma estrada escura. Ele desviou para evitar acertar um animal e acabou perdendo o controle, capotou e ficou preso em um canal. A equipe de socorro do condado foi informada através de uma chamada contendo uma mensagem automática que dizia: “O dono deste iPhone sofreu um acidente de carro grave e não está atendendo o telefone. A localização de emergência é… com um raio de busca estimado de sete metros”.

Publicidade

Pouco tempo depois quando chegaram ao local, eles encontraram o carro parcialmente submerso na água e seu motorista, imóvel com sinais de hipotermia. Os agentes conseguiram retirar o motorista e transferi-lo para um hospital onde ele passa bem. Se o pedido ajuda não tivesse sido enviado naquele momento o homem teria dificuldades para ser encontrado e o desfecho dessa história poderia ser outro.

A mensagem salvadora que fez toda diferença, faz parte de uma nova tecnologia do iPhone 14, quando acontece alguma colisão grave, com impacto forte ou um capotamento o iPhone ou o Apple Watch então detecta, em seguida soam um alarme e exibem um alerta na tela. Os usuários terão 20 segundos para descarta-la. Se eles não conseguirem responder a tempo, os serviços de emergência serão chamados e o dispositivo compartilhará sua localização com uma central de resgate.

Os policiais localizaram o carro de cabeça para baixo na água – com base apenas nas coordenadas automatizadas de longitude e latitude enviadas pelo telefone celular da vítima, informações do gabinete do Xerife no Facebook.

Publicidade

Artigo escrito por Alex Valadares, engenheiro eletricista por formação e grande admirador do mundo da arquitetura e curiosidades do mundo. Fundador, produtor, editor e roteirista do site X4T e página Portal na rede.