in , , ,

Casa de doméstica na cidade de SP, está entre as melhores construções do mundo

O sonho da grande maioria dos brasileiros é possuir a sua casa própria, e mesmo com todas a dificuldades muitos se desdobram para conseguir alcançar este sonho. Um bom exemplo disso é a doméstica dona Dalva que com muito esforço conseguiu construir uma casa na Vila Matilde, zona Leste de São Paulo, ganhou o Prêmio Internacional Building of the Year 2016, na categoria casas.
Esse prêmio elege entre vários projetos do mundo inteiro, as 14 construções mais criativas, e o resultado é baseado na votação do público. Ela foi projetada pelos arquitetos Danilo Terra, Pedro Tuma e Fernanda Sakano, do escritório Terra e Tuma Arquitetos. A casa foi levantada em seis meses, e ficou pronta em 2014, com um custo total de 150 mil reais.
Os arquitetos responsáveis foram procurados pelo filho de dona Dalva, a proprietária do imóvel. Ele e sua família não queriam que Dona Dalva vendesse o imóvel e fosse para um lugar pior ou mais longe, então incentivou a mãe a pegar todas suas economias e construir no local de sua antiga residência.


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção


Foto: Reprodução/arte&construção

Além da importância do prêmio, esse tipo de construção também serve para mostrar que não é necessário muitos recursos financeiros para desenvolver bons projetos

Veja a planta do projeto:

Foto: Reprodução/arte&construção

Assista ao depoimento em vídeo da moradora e proprietária do imóvel Dona Dalva.

Loading...

Avatar

Artigo escrito por Alex Valadares, engenheiro eletricista por formação e grande admirador do mundo da arquitetura e curiosidades do mundo. Fundador, produtor, editor e roteirista do site X4T e página Portal na rede.

19 imagens onde o reflexo está mostrando uma nova realidade

O pessoal da internet compartilhou as 21 cenas mais incomuns já vista no metrô